Com evento tecnológico, São Gonçalo dá um passo à frente rumo ao desenvolvimento

O prefeito de São Gonçalo, Nozinho, recebeu autoridades, escolas e empresas em grande evento sobre desenvolvimento sustentável e tecnologia

Com evento tecnológico, São Gonçalo dá um passo à frente rumo ao desenvolvimento
Prefeito Nozinho discursa em mesa de abertura do Start I Foto: Júlia Souza / DeFato

Nesta sexta-feira (01), São Gonçalo do Rio Abaixo deu início a primeira edição do Start, feira de tecnologia e inovação. O evento foi planejado para transformar a cidade em um polo de inovação, tecnologia e empreendedorismo.

A feira começou nesta sexta e também acontece neste sábado (02), com palestras, programação educativa, stands de exibição de empresas e universidades, workshops, mentorias e trabalhos em grupo. 

Dentre as presenças confirmadas, estiveram na mesa de abertura o prefeito, Nozinho Barcelos (PDT); o vice, Leandro Amora de Castro (PSB); o presidente da Câmara, Diego José Ribeiro (PDT); a secretária de Governo, Joceline Maria Keles; o gerente do Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel) Leonardo Maia; a presidente do Instituto de Geociências e Tecnologia (IGTECH), Dra. Grazi Carvalho e o presidente da SICOOB, Jacson Guerra Araújo.

Mesa de abertura do evento Start    I    Foto: Júlia Souza / DeFato

Também estão participando estudantes de diversas idades e localidades, desde o ensino médio até o técnico e superior. Os alunos terão a oportunidade de inovar, por meio de desafios e de preparação, e estão desenvolvendo trabalhos na feira. 

Os desafios propostos aos estudantes foram divididos em 12 salas temáticas, pautadas em: Desenvolvimento Econômico, Mobilidade Urbana, Saneamento, Eficiência Energética, Assistência Social e Empreendedorismo, Educação, Inovação, Agricultura Inteligente, Meio Ambiente, Segurança Pública, Saúde e Cultura e Turismo. Os vencedores em cada tema receberão R$10 mil reais, totalizando R$120 mil em premiações.

Em entrevista ao portal DeFato, o prefeito Nozinho falou sobre a importância da realização da ação: 

“A nossa região é altamente dependente da mineração, o nosso foco é diversificação na economia para não ficarmos exclusivamente dependentes da mineração, porque ela não dá duas safras. A mineração em nosso município é nova, tem apenas 15 anos, mas a gente não pode esperar dar sinais de que vai exaurir para começar a diversificar.”

Nozinho explicou, ainda, a ideia de investir em ciência e tecnologia. Uma preocupação que se mostra alinhada com as demandas sociais e com o caminho do desenvolvimento mundial:

“O Start é tecnologia, sustentabilidade e inovação. Realizamos esse evento para que possamos ajudar a desenvolver pequenas empresas de tecnologia, pois esse é o caminho dos países desenvolvidos, que nós precisamos disseminar.”

Além de Nozinho, o deputado estadual Thiago Cota (PDT) também esteve presente. Em entrevista ao portal DeFato, ele falou sobre a relevância do evento e da busca por alternativas pela diversificação econômica: 

“Nossa região é uma só, que tem uma dependência muito profunda e histórica com a mineração. Minas Gerais tem essa própria dependência, nosso estado tem a mineração no nome… mas é importante evoluir, é importante apontarmos caminhos para o amanhã. Nós temos que dar alternativas para que a gente possa trazer a sociedade para esse pensamento e para essa visão empreendedora do amanhã.”

Deputado estadual Thiago Cota I Foto: Júlia Souza / DeFato

Cota falou também sobre as fontes de renda de Minas Gerais e as possibilidades de renovação neste setor:

“Eu acredito que a nossa região, que já viveu o ciclo do ouro, hoje vive o ciclo do minério de ferro, amanhã poderá viver outros ciclos que estarão conectados com o desenvolvimento sustentável, setor tecnológico e geração de turismo, que é tão importante para a nossa região. Nós temos riquezas históricas para poder apresentar para o mundo, eu acredito muito nisso e sei que a administração do prefeito Nozinho também tem se empenhado profundamente para buscar esse apontamento para o amanhã, para a nossa gente de São Gonçalo, da região e para o nosso povo mineiro.”

 

O evento chamou atenção e contou com a participação de diversos estudantes, que puderam conhecer mais sobre tecnologia e desenvolvimento. Entre os diversos educadores presentes, estavam os representantes dos seguintes institutos: professora doutora da UEMG, Júnia Alexandrino; professor doutor da UFMG no estudo de cidades inteligentes, Bráulio Magalhães; reitora da Doctum, Yolanda Coelho; professor doutor da UFOP, Frederico Gomes; diretor do Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas – ICEA/UFOP de João Monlevade, professor doutor Thiago Silva.

Entre os stands da feira, que apresentavam diversas tecnologias inovadoras, escolas e universidades, estavam o da UEMG, FIEMG/SENAI e UFOP. Em entrevista, o diretor do ICEA, Thiago Silva, destacou a importância de incluir as universidades nesse debate: 

“A universidade pública brasileira é responsável pela grande maioria da ciência que é desenvolvida no país. Um evento dessa natureza, que é um evento de inovação e tecnologia, traz para a sociedade a perspectiva de uma mudança no futuro, do ponto de vista da produtividade e de ter uma sociedade mais conectada. O ensino de graduação, pós-graduação, ele é dado pelas universidades públicas brasileiras aliadas à pesquisa e ao desenvolvimento, faz com que o Brasil esteja mais perto de alcançar esses objetivos. Isso pode agregar valor para resolver os problemas sociais que a gente pode enfrentar.”

A DeFato também conversou com Márcio Silva Duarte, supervisor técnico do SENAI de São Gonçalo, que destacou a necessidade da participação das escolas técnicas no debate sobre o desenvolvimento: 

“O SENAI está aqui em São Gonçalo desde 2008, quando foi inaugurada a escola. Então, já formamos muita mão de obra para as empresas que estão chegando. Um evento desse divulga o nosso trabalho e influencia o jovem a dar um norte na carreira dele, ele consegue ter uma visão de futuro, saindo do ensino médio já pensando no que é capaz de fazer.”

O presidente do SICOOB, Jacson Guerra Araújo, falou sobre a importância de se pensar em alternativas para o desenvolvimento econômico da região: 

“O importante de uma programação de inovação como essa aqui, é trazer talentos para o município… pessoas inovadoras que vão melhorar, através da tecnologia, a qualidade de vida do cidadão são-gonçalense. Outro ponto importante dessa questão de cidades inteligentes, com relação a nossa doutrina cooperativista, é que a cidade inteligente é baseada em economia colaborativa e compartilhada, o que é o DNA do cooperativismo, em que a gente faz um mundo melhor. Ações como essa só trazem benefícios para o cidadão, com qualidade de vida para as pessoas.”

Dentre as diversas empresas presentes, a VALE também esteve no evento, representada por alunos-bolsistas do Instituto Tecnológico Vale que estava apresentando seu Espeleorobô II (um robô que reduz a exposição humana a riscos em atividades operacionais). O estudante Mário César Delunardo Torres destacou o quanto é fundamental apresentar a tecnologia, demonstrando como ela pode trazer benefícios para a sociedade: 

“Acho que é importante incentivar e permitir que as pessoas tenham contato com essas tecnologias, que muitas vezes a gente não vê. É de interesse da VALE e das outras empresas que estão aqui divulgar essas pesquisas e seus institutos, para que a sociedade conheça.”

Projeto Epeleorobô      I     Foto: Júlia Souza / DeFato

Com a parceria entre institutos de educação, autoridades e figuras políticas da região, empresas e o governo de São Gonçalo do Rio Abaixo, a cidade se mostrou à frente do tempo na busca por desenvolvimento, alternativas sustentáveis e diversificação econômica. Confira a galeria de fotos do evento: 

MAIS NOTÍCIAS