Miami ou Orlando? Qual destino o brasileiro prefere nos EUA

A América do Sul respondeu por seis milhões de turistas (+8,5%) que embarcaram para os Estados Unidos, sendo 2,2 milhões do Brasil (+15,5%), maior mercado da região

Miami ou Orlando? Qual destino o brasileiro prefere nos EUA

O Escritório Nacional de Viagens e Turismo do Departamento de Comércio dos Estados Unidos apresentou os números das viagens de latino-americanos para os EUA. A apresentação foi de Richard Champley, que destacou que os números se referem a visitantes que passaram ao menos uma noite nos Estados Unidos, com 19 tipos de vistos computados.

No ano passado, graças ao México e seus 18,5 milhões de turistas enviados, a América Latina foi responsável por 35% de todos os visitantes internacionais dos Estados Unidos, à frente da Europa (19%) e até do Canadá (27%). A América do Sul respondeu por seis milhões de turistas (+8,5%), com 2,2 milhões do Brasil (+15,5%), maior mercado da região.

Seguindo o Brasil vieram a Argentina (994 mil, mas já mostrando sinais de queda, com -2,4%), Colômbia com 943 mil, Venezuela, com 502 mil, Equador, com 450 mil, Chile, com 365 mil e Peru, com 304 mil. Desses, apenas o Chile participa do Visa Waiver Program, que isenta os turistas de obtenção prévia de visto para entrar nos Estados Unidos.

Para o segundo semestre de 2019, Champley mostrou uma estatística que aponta queda de 7% no número de assentos ofertados pelas aéreas da América do Sul para os Estados Unidos, em relação ao ano passado (do Brasil, o corte de oferta foi de 11%).

2019 

Até junho, os Estados Unidos receberam 37 milhões de turistas estrangeiros, queda de mais de 3% em relação ao mesmo período do ano passado.

No caso da América do Sul já há números até julho: 3,36 milhões de visitantes, queda de 3,9%. O Brasil continua liderando, com 1,24 milhão de turistas e uma diminuição de 3,5%, um pouco abaixo da média da região, que é prejudicada pelos 20% de queda da Argentina (528 mil turistas) e ajudada pelo aumento de 6,3% da Colômbia (539 mil).

DESTINOS

Segundo as estatísticas apresentadas, a Flórida tem 60% de share da América do Sul; Nova York 25% e a Califórnia apenas 9%. Entre os brasileiros, 35% visitaram Orlando, 31% Miami, 27% visitaram Nova York, 6% Los Angeles e 5% Fort Lauderdale.

A mesma estatística diz que 31% dos brasileiros entraram nos Estados Unidos via Miami, 20% por Orlando, 18% por Nova York (JFK e EWR), 6% por Fort Lauderdale e 5% por Los Angeles. Os latino-americanos gastaram US$ 62 bilhões no país em 2018 (+4%), sendo US$ 12,3 bilhões só do Brasil (+6%).

SEGURO VIAGEM

Outro dado mostra que 81% dos brasileiros compraram seguro viagem para visitar os Estados Unidos, número um pouco maior que o da Argentina (73%) e bem maior que Colômbia (37%) e México (23%).

Os brasileiros compraram com 87 dias de antecedência a passagem aérea e planejaram a viagem 120 dias antes. Entre os brasileiros, 58% usaram como fontes de informação as companhias aéreas, 43% recomendações pessoais, 35% as OTAs, 20% os escritórios oficiais de destinos e 17% uma agência de viagens física. O motivo da viagem para 88% dos brasileiros eram férias ou lazer e 16% negócios/convenções, com a diferença acima dos 100% representando o bleisure.

Os brasileiros ficaram média de 16 noites no país, 17% viajaram pela primeira vez para os Estados Unidos e 78% se hospedaram em hotéis. Ainda nos dados de brasileiros, 37% usaram transporte privativo, 45% alugaram carro e 19% utilizaram táxi ou limusine. O share do Uber e similares ficou em 12% e outros 24% usaram o transporte aéreo entre as cidades. E 75% dos brasileiros visitaram apenas um Estado americano.