Suspeita de matar mulher com golpes de marreta em Monlevade morre em Ipatinga

No dia do crime, militares atiraram na perna da suspeita, após ela fazer idoso de refém e tentar agredir policiais

Suspeita de matar mulher com golpes de marreta em Monlevade morre em Ipatinga
Polícia Civil concluiu as investigações do caso em 10 dias – Foto: Cíntia Araújo/DeFato Online

A principal suspeita do assassinato de  J.B., que ocorreu no último dia 4, em João Monlevade, morreu em Ipatinga. E.M.S. dos S, morreu neste final de semana e foi enterrada em Itabira. O assassinato chocou o município, devido à violência. A vítima foi assassinada a golpes de marreta e teve a face e o crânio esmagados. O crime foi em uma casa, à rua Mato Grosso, no bairro Satélite.

Segundo informações da 4ª Delegacia Regional de Polícia Civil de João Monlevade (4ª DRPC), com a morte da principal suspeita, fica extinta a punibilidade, devido a morte do agente, no caso, a mulher. Já a conduta dos militares que atenderam a ocorrência será apurada pela Justiça Militar. Isso porque a suspeita, após o homicídio, invadiu uma outra residência, fazendo reféns. A Polícia Militar foi até o local, e fez uso de bomba de efeito moral para que a mulher se entregasse, o que não ocorreu. Quando os militares conseguiram entrar, ela tentou fugir e, ao ver que seria alcançada, tentou agredir um policial, que a atingiu com dois tiros, acertando a perna para contê-la. A mulher foi levada ao Hospital Margarida, onde passou por cirurgia. Contudo, foi transferida para Ipatinga, onde morreu.

O conteúdo continua após o anúncio

“Vozes mandaram matar”

A suspeita declarou em depoimento que teve uma briga com a vítima, devido a um vídeo visto por elas. Depois ela afirmou que a vítima teria furtado remédios de uso controlado do irmão dela. Por fim, a suspeita afirmou que “vozes” pediram que ela cometesse o assassinato. A Polícia Civil concluiu as investigações em 10 dias.

MAIS NOTÍCIAS