Passeata pelo fim da violência contra mulher mobiliza Itabira neste sábado

Mobilização é intitulada de “Mulheres Vivas” e clama por justiça após feminicídio de Rayssa

Passeata pelo fim da violência contra mulher mobiliza Itabira neste sábado
O conteúdo continua após o anúncio


Visando acabar com a violência contra a mulher com a campanha “Agosto Lilás”, uma mobilização com passeata será realizada neste sábado (6), em Itabira. O movimento recebeu o nome de “Mulheres Vivas” e também clamar por justiça pelo feminicídio de Rayssa Aparecida Ferreira de Araújo, de 18 anos, no dia 13 de julho.

A concentração começa às 13h30 e a saída está marcada para às 14h. A concentração será na Feira Livre da Esplanada da Estação. O percurso começará com descida da Salvino Pascoal, logo após vai ao João Pinheiro do sinal da Joeubra até chegar a Praça Redonda. As pessoas que participarem da passeata devem estar vestindo, de preferência, roupa branca.

Como única representante feminina no Legislativo itabirano, a vereadora Rose Félix (MDB) é apoiadora da causa e conversou com a nossa equipe sobre a importância de mobilizações constantes como essa.

“Os familiares de Rayssa me pediram apoio para a organização dessa passeata pedindo justiça e o fim da violência contra a mulher. Além dos familiares dela, os familiares da Darliele Ster, morta por estrangulamento no ano passado e outras mulheres que foram vítimas de violência também estarão presentes. O intuito é mobilizar mulheres, homens, meninas e meninos a fim de conscientizar a sociedade sobre a gravidade do momento que estamos atravessando. Chega de vermos mulheres sendo mortas e agredidas simplesmente pelo fato de serem mulheres!”, diz Rose.

Relembre o caso 

No dia 13 de julho um crime bárbaro deixou Rayssa Aparecida Ferreira de Araújo, de 18 anos, morta. O delegado regional da Polícia Civil, Helton Cota, divulgou detalhes sobre o testemunho de Francisco Gergley Gonçalves Bezerra, 30 anos, preso após confessar o assassinato de Rayssa. Um familiar entrou em contato com a polícia e informou que o rapaz iria se entregar.

Por meio de vídeo enviado para imprensa, o delegado relatou que Francisco admitiu ter cometido o crime movido por ciúmes.

“Segundo o autor, os dois teriam reatado o relacionamento há dois dias, e durante a madrugada foram até o hospital levar a filha que eles têm em comum, de apenas três anos de idade. Lá, o autor se apossou do celular da vítima e viu mensagens trocadas com outras pessoas, gerando um acesso de ciúmes”, explicou.

Na volta para casa, o casal brigou e a discussão ficou mais acalorada. Francisco, então, levou Rayssa para um local ermo, onde começaram as agressões. “Os dois caíram para fora do veículo e o autor começou a esganar a vítima, ao mesmo tempo em que se apossou de uma pedra e desferiu vários golpes na região de sua face”, detalha Helton Cota.

Ainda de acordo com a confissão de Francisco, ele teria ido para a casa de sua mãe para deixar a criança com ela. Em seguida, pegou uma motocicleta e fugiu.

Segundo informações, em 2016, o homem teria tentado matar uma outra ex-companheira com golpes de faca, na localidade do Laboriaux, na ocasião, a vítima foi socorrida por policiais militares e sobreviveu ao ataque. Desde então, ele vinha respondendo processo por tentativa de homicídio, inclusive com recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

 

 

 

MAIS NOTÍCIAS