Adolescentes acusados de sequestro em Itabira são levados para centros de internação

Comandante do 26º Batalhão também falou sobre o segundo caso de sequestro, registrado 48 horas depois do primeiro, quando uma dentista foi levada pelos criminosos

Adolescentes acusados de sequestro em Itabira são levados para centros de internação
Adolescentes foram apreendidos pela PM após sequestro – Foto: Divulgação

Nas últimas 48 horas, a população acompanhou assustada a dois sequestros-relâmpagos em Itabira. Na madrugada de 1º de maio, terça-feira, o jovem engenheiro Mauricio Silveira, 25 anos, foi vítima de cinco adolescentes, que o levaram quando esperava a namorada no portão da casa dela, no bairro Caminho Novo. Os bandidos o prenderam no porta-malas do próprio carro e depois amarraram sua cabeça, mãos e pés. Foram quatro horas de terror até a chegada da Polícia Militar.

Já na noite dessa quarta-feira, 3 de maio, a dentista Jane Gazire, 54, foi abordada por bandidos quando pegava seu veículo após o trabalho, no Centro de Itabira. Eles levaram a caminhonete Hilux com a mulher dentro. A vítima foi deixada pelos criminosos em Ravena, em local ermo, às margens da BR-381, sendo ajudada por um casal, até a chegada dos militares.

De acordo com o comandante do 26º Batalhão da Polícia Militar, tenente-coronel Hudson Ferraz, os crimes têm motivações bem particulares e não possuem ligação entre eles. No primeiro caso, a polícia confirmou que os jovens possuem ficha criminal pela prática de diferentes delitos nos últimos 30 dias em Itabira.

Comandante da PM de Itabira, tenente-coronel Hudson Ferraz – Foto: Tatiana Santos/DeFato

O comandante comentou que os autores “são menores que aproveitam da benevolência da lei, que é incompatível com as necessidades da sociedade, não somente em Minas Gerais e no país, e promovem essa sensação de que se pode fazer tudo”. O militar informou que nesta quinta-feira, 3 de maio, saíram vagas de internação, conquistadas através do Ministério Público de Itabira, para os envolvidos no sequestro do engenheiro. Três dos acusados estão sendo encaminhados a um centro de internação em Belo Horizonte e os outros dois para Teófilo Otoni.

Em entrevista a DeFato Online nessa quarta-feira, 2 de maio, o engenheiro Maurício Silveira contou que ouviu os adolescentes comentando sobre a possibilidade de matá-lo enquanto estava amarrado no porta-malas. Para o comandante da PM, no entanto, os envolvidos não chegariam a esse extremo. O tenente-coronel acredita que eles tinham a intenção apenas de levar o veículo. Ele voltou a criticar a falta de punições mais efetivas aos menores.

O conteúdo continua após o anúncio

“São essas situações que nos trazem extrema preocupação, a partir do momento em que daqui a pouco essa internação vai ter uma validade e eles vão retornar para Itabira e cometer novos delitos”, lamentou. Atualmente, a legislação brasileira não permite que a internação de menores passe de 45 dias, exceto em crimes hediondos, quando pode chegar a 3 anos.

Revenda do veículo

No caso da dentista que foi levada por dois bandidos, pelos levantamentos da polícia, eles já estavam monitorando um determinado tipo de veículo e aproveitaram da situação de o carro estar em local pouco iluminado, com poucas pessoas próximas, para cometer o crime. Segundo Ferraz, os criminosos tinham o objetivo de levar o automóvel para revendê-lo em Belo Horizonte. Conforme os levantamentos policiais, houve desacordo na entrega do veículo, fazendo com que retornassem sentido BR-381, deixando a vítima em Ravena.

“A Polícia Militar já tem algumas informações que remetem ao modus operandi (forma de atuação), ao possível local de contato e outras informações que estão sendo coletadas em outros pontos, desde Belo Horizonte até o município de Caeté”, explicou. Esses dados devem levar à autoria e consequente prisão dos autores.