Beiço é o novo presidente do Sindmon-Metal

Beiço venceu as eleições

Beiço é o novo presidente do Sindmon-Metal
Em eleição realizada nos dias 15 e 16 (terça e quarta-feira), associados do Sindicato dos Metalúrgicos de João Monlevade (Sindmon-Metal) elegeram a nova diretoria da entidade, para o triênio 2011-2014. Luiz Carlos da Silva (Beiço) passa a ser o novo presidente, em substituição a José Quirino dos Santos, cujo mandato se encerra em 30 de abril.
 
Os demais diretores executivos (principal núcleo decisório do sindicato) são Marco Antônio da Silva, vice-presidente; Wilson Carlos Dias (Lustroso), secretário-geral; José Quirino, secretário de Administração e Finanças; Joselito Marques Abrantes, secretário Social e de Saúde; Marcelo de Oliveira Carvalho, secretário de Divulgação e Imprensa; e José Geraldo Gandra, secretário de Formação. Desse grupo, os três últimos são novos na diretoria executiva.
 
O quadro dirigente da entidade é composto ainda por 14 suplentes da diretoria executiva, seis conselheiros fiscais, sendo três efetivos e três suplentes, e oito integrantes do Conselho de Aposentados.
 
A eleição contou com 1.565 votantes, dos quais 1.535 (98,08%) confirmaram a nova diretoria, 22 votos foram brancos, e oito, nulos.
 
A programação da posse da nova diretoria, que deve envolver eventos culturais além da cerimônia solene, está em processo de definição.
 
Trajetória e metas
Beiço, secretário de Administração e Finanças do sindicato desde 1993, ingressou na antiga Companhia Siderúrgica Belgo-Mineira (hoje, ArcelorMittal), em 1977, e, 10 anos depois, passou a fazer parte da diretoria do sindicato, na gestão de Antônio Ramos (1987-1990). Desde então, manteve-se no sindicalismo e, ao lado do atual presidente, José Quirino, que preside a entidade desde 2002, foi um dos responsáveis por uma nova política de planejamento orçamentário e investimento social e cultural.
 
O novo presidente garante que manterá essa política e buscará ampliá-la com ações como a melhor capacitação de dirigentes sindicais, para fortalecimento da defesa dos trabalhadores, e maior aproximação com a categoria, para obter mais participação consciente dos operários em assembléias e reuniões.
 
Beiço pretende, além disso, ampliar o atendimento da assessoria jurídica para além das questões estritamente trabalhistas e buscar elos mais sólidos com públicos que ainda têm poucos vínculos sindicais no meio metalúrgico local, como mulheres e jovens.