Caixões vazios: Ministério Público investiga coveiros de Formiga

Investigação aponta que funcionários guardavam vagas para famílias que pagavam pelo espaço reservado em cemitério

Caixões vazios: Ministério Público investiga coveiros de Formiga
Foto: Divulgação / Ministério Público Minas Gerais

O Ministério Público (MP) anunciou, na última sexta-feira (9), que um grupo de funcionários públicos da cidade de Formiga, em Minas Gerais, estão sendo investigados por enterrar caixões vazios. O MP afirma ainda que eles recebiam propina para guardar vagas no Cemitério Parque da Saudade. “Quando o ente da família morria, os coveiros retiravam o caixão vazio e colocavam o corpo”, diz trecho da denúncia.

Além disso, os Ministério Público aproveitou para apurar sobre outras irregularidades, supostamente cometidas pelos suspeitos, há cerca de sete meses. Ainda na sexta, foi realizada uma operação para cumprir oito mandados de busca e apreensão.

A Justiça mineira expediu seis mandados de medidas cautelares, como o afastamento das funções públicas dos investigados. A operação foi batizada de “Cemitério Maldito”. O caso começou a ser investigado após denúncia feita por um servidor do espaço. “Foram coletadas provas de que os coveiros recebiam propina de famílias para assegurar lugares no cemitério, e, para tanto, enterravam caixões vazios”, explicou o órgão.

Também foi apurado que os coveiros mantinham esquema de recebimento de horas extras que não eram devidamente cumpridas. Há fortes suspeitas de que os coveiros abasteciam veículo particular de uma funerária com valores da prefeitura. Ainda segundo as investigações, existem indícios do desvio de urnas funerárias do município para uma funerária particular.

A operação foi coordenada pela 2ª Promotoria de Justiça de Combate ao Crime Organizado e da 3ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público. As polícias Civil e Militar também participam da operação denominada “Cemitério Maldito”.

Responsável pela administração do Parque da Saudade, a Prefeitura de Formiga informou que tem procedimento administrativo instaurado contra um dos investigados e frisou que não compactua com a conduta delituosa dos servidores. “A Administração Municipal ainda esclarece que está à disposição no auxílio das investigações”, disse em nota.

Além disso, destacou que a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Humano afastou todos os investigados dos cargos. “Está sendo realizado o remanejamento entre a equipe para nova escala, bem como contratação temporária para substituição”

MAIS NOTÍCIAS