GM anuncia a chegada do carro do futuro com nova arquitetura eletrônica veicular

Esta tecnologia é composta por um sistema eletrônico inteligente capaz de processar até 4,5 terabytes de dados por hora – cinco vezes mais do que a arquitetura corrente

GM anuncia a chegada do carro do futuro com nova arquitetura eletrônica veicular

A GM anunciou no final de maio o lançamento de uma nova arquitetura eletrônica veicular que irá viabilizar a chegada de uma nova geração de veículos elétricos e de sistemas mais avançados de condução autônoma, de conectividade e de segurança ativa – pilares fundamentais para a visão de futuro da GM, de zero acidente, zero emissão e zero congestionamento.

Com o salto evolutivo que darão os automóveis nos próximos cinco a dez anos, crescerá consideravelmente o fluxo de dados necessários para que todos estes novos equipamentos funcionem integrados entre si e se conectem também com sistemas externos de trânsito. A nova arquitetura eletrônica veicular da GM estreia no Cadillac CT5 que chega às lojas da marca no fim deste ano e deve equipar globalmente a maior parte dos veículos da companhia até 2023.

Esta tecnologia é composta por um sistema eletrônico inteligente capaz de processar até 4,5 terabytes de dados por hora – cinco vezes mais do que a arquitetura corrente. Outra inovação é a capacidade de atualização remota de sistemas e suas funcionalidades por toda sua vida útil do veículo, similar ao que já acontece com smartphones.

Além disso, a inovação da GM proporciona mais rápida comunicação entre os sistemas do próprio veículo e entre fontes externas graças às conexões de internet de 100Mbs, 1Gpbs e 10Gbps. “A eletrônica tem cada vez mais relevância em nossos veículos. “Nosso novo conceito de arquitetura digital veicular vai dar suporte às inovações futuras em uma ampla gama de avanços, incluindo a democratização dos veículos elétricos e autônomos”, diz Mark Reuss, presidente mundial da General Motors.

Segurança cibernética

A questão da segurança cibernética é outro pilar desta nova arquitetura eletrônica. O DNA do sistema inclui recursos adicionais de proteção tanto para hardware como para software que refletem a importância que a empresa dá a este tema. A GM, aliás, foi a primeira fabricante de automóveis a criar um departamento dedicado a tecnologias de segurança cibernética com foco na proteção contra potenciais riscos de acesso não autorizado a veículos e a informações sigilosas de seus clientes.

A GM também foi a primeira grande fabricante a implementar um programa que estimula a comunidade de pesquisas em segurança cibernética a identificar possíveis vulnerabilidades em seus sistemas, afim de reforçá-los continuamente. A GM ainda é membro do Auto-ISAC (Centro de Compartilhamento e Análises de Informações Automotivas), uma comunidade que envolve representantes do setor público e privado que compartilham experiências e avanços em segurança cibernética. Essa nova e importante tecnologia foi desenvolvida por um time global de especialistas da empresa em seus diversos centros de desenvolvimento pelo mundo. (Fonte GM)