Dia Mundial do Lúpus acende preocupação sobre atenção à doença

O Lúpus é uma doença inflamatória crônica de origem autoimune (o próprio organismo ataca órgãos e tecidos). São reconhecidos dois tipos principais de lúpus: o cutâneo, que se manifesta apenas com manchas na pele (geralmente avermelhadas ou eritematosas e daí o nome lúpus eritematoso), principalmente nas áreas que ficam expostas à luz solar (rosto, orelhas, colo […]

Dia Mundial do Lúpus acende preocupação sobre atenção à doença

O Lúpus é uma doença inflamatória crônica de origem autoimune (o próprio organismo ataca órgãos e tecidos). São reconhecidos dois tipos principais de lúpus: o cutâneo, que se manifesta apenas com manchas na pele (geralmente avermelhadas ou eritematosas e daí o nome lúpus eritematoso), principalmente nas áreas que ficam expostas à luz solar (rosto, orelhas, colo e nos braços) e o sistêmico, no qual um ou mais órgãos internos são acometidos. O Dia Mundial do Lúpus é celebrado anualmente no dia 10 de maio e surgiu para conscientizar a população sobre a importância de se manter ciente sobre os aspectos da doença. O mês de conscientização da doença ficou conhecido como “Maio Roxo”.

Paciente e portadora de Lúpus há quatro anos, a itabirana Kátia Cilene Fonseca é uma das representantes da luta no município. De acordo com Kátia, a abordagem do tema tem sido esquecida na cidade. “Temos encontrado muitos empecilhos e dificuldades porque não estamos tendo apoio de políticas públicas. Foi aprovada, sancionada e promulgada uma lei em 2016 de apoio municipal para divulgação do tema, mas, desde então, não conseguimos fazer nada dentro do calendário”, relatou.

De acordo com a Secretaria de Saúde de Itabira, em 2018 a atenção primária realizou 50 atendimentos com a Classificação Internacional de Doenças (CID’s) relacionados aos Lúpus. Sobre a lei 4897/2016, a prefeitura destaca que o Artigo 2º diz que “Durante a Semana ora instituída a Administração poderá desenvolver ações de conscientização social, voltadas para alertar a necessidade de aumentar o conhecimento público sobre a doença e os cuidados prestados aos doentes”.