Itabira registra oito vezes mais casos de dengue que no ano passado

O panorama de casos suspeitos e confirmados de dengue em Itabira é alarmante. Em 2019, o município registrou 156 confirmações e 1.100 notificações de casos prováveis da doença. A taxa de incidência é de 999,92 por 100 mil habitantes. As informações foram apresentadas na Câmara Municipal, na tarde desta terça-feira (4), pela superintendente de Vigilância […]

Itabira registra oito vezes mais casos de dengue que no ano passado
Therezão usou a tribuna da Câmara para apresentar dados – Foto: Thamires Lopes/DeFato Online||Foto: Thamires Lopes/DeFato Online||

O panorama de casos suspeitos e confirmados de dengue em Itabira é alarmante. Em 2019, o município registrou 156 confirmações e 1.100 notificações de casos prováveis da doença. A taxa de incidência é de 999,92 por 100 mil habitantes.

As informações foram apresentadas na Câmara Municipal, na tarde desta terça-feira (4), pela superintendente de Vigilância em Saúde, Thereza Cristina Oliveira Andrade “Therezão”. Sua ida ao Legislativo atende um requerimento do vereador Solimar José da Silva (Solidariedade).

O quadro da doença na cidade já é considerado como surto. Se comparado com o mesmo período de de 2018, o número de casos confirmados de 2019 é oito vezes maior. De janeiro a maio do ano passado foram registrados 19 casos confirmados.

Já o número de notificações de casos prováveis da doença é 202% maior do que no mesmo período do ano passado, quando foram registrados 365 casos. Os dados são do último balanço, realizado na semana passada.

Therezão expôs sobre as ações que têm sido realizadas pela Secretaria Municipal de Saúde para o enfrentamento da dengue e combate ao mosquito Aedes Aegypt. Uma dessas ações é o fortalecimento da articulação entre algumas áreas e serviços.

“A cada ano a gente vem vendo a mutação do mosquito. Temos agora a presença do vírus tipo 2, que não circulava há uns 10 anos. Esse vírus pode trazer casos mais graves da doença e, inclusive óbitos, como temos visto em todo o estado”, comentou a superintendente de Vigilância em Saúde.

Ela lembrou ainda que a população deve trabalhar para eliminar os focos do mosquito transmissor da doença e ressaltou a importância do uso do repelente, inclusive nas pessoas que estão com suspeita de dengue.