Como escapar do estresse para uma vida mais plena e feliz

Confira da nova coluna da psicóloga Fernanda Bretas

Como escapar do estresse para uma vida mais plena e feliz
Foto: Reprodução / Internet
O conteúdo continua após o anúncio


Como você lida com o seu tempo? Consegue “ter tempo” para tudo o que deseja? Tem alguma área da vida que está sobrecarregada, com estresse, precisando de atenção?

Acredito que a sua resposta seja sim, para pelo menos uma das perguntas acima.

Culturalmente fomos levados a acreditar que ter tempo livre é estar improdutivo e que não podemos nos permitir ter um tempo reservado para o descanso. Com essa ideia, vamos acumulando tarefas e agendando compromissos sem nenhum critério. Falamos vários “sins” para os outros e para conseguir cumprir precisamos compensar com muitos “nãos” para nós mesmos. Dizemos não para o que achamos valioso para a nossa vida, deixando de lado o que realmente importa e para o que nos dá energia, como: hobbies, leitura, momentos com quem amamos…

O resultado disso: vivemos uma epidemia de pessoas estressadas, intolerantes e insatisfeitas com a vida de maneira geral.

A falta de momentos agradáveis e o excesso de obrigações sem propósito trazem como consequência o estresse e a procrastinação, que agem diretamente na nossa felicidade.

Antes de partirmos para a ação, vamos começar entendendo o custo disso para a nossa saúde:

  • Na saúde psicológica existe uma relação causal entre estresse e depressão. O aumento do nível de ansiedade faz com que nosso corpo descarregue nossa reserva de serotonina (responsável pelo bem-estar), o que aumenta a chance de desenvolver transtornos como a depressão.

  • Na saúde física toda essa “descarga” em virtude do estresse faz com que nosso sistema imunológico não funcione adequadamente, trazendo maiores riscos de doenças, inclusive as mais graves, como o câncer.

E podemos extrapolar o campo da saúde. O estresse e as doenças relacionadas a ele são hoje em dia a razão número 1 de faltas no trabalho. Ou seja, existe um impacto direto na produtividade e criatividade. Além disso, podemos citar o aumento nos problemas familiares e de relacionamento. Portanto, o preço a se pagar é muito alto.

O conteúdo continua após o anúncio

E o que podemos fazer para minimizar esse problema?

Através da abordagem da Psicologia Positiva ao invés de perguntar “Por que as pessoas estão estressadas?”, buscamos entender o que aqueles que têm sucesso e habilidade fazem para ter uma vida mais plena e feliz.

Pesquisas nesse campo descobriram coisas importantes:

  • O ESTRESSE NÃO É O PROBLEMA. Muito pelo contrário, certa carga de estresse é boa para nos deixar mais fortes e resilientes. O problema é viver nesse estado. Precisamos nos recuperar, após uma situação que nos cause isso. E essa recuperação pode se dar em vários níveis: escutar uma música, assistir um filme, brincar com seu filho ou animal de estimação, almoçar saboreando a comida, tomar um banho relaxante. Aos finais de semana ou folgas do trabalho, reserve um tempo maior para o descanso. E ao longo do ano não negligencie suas férias, elas são essenciais nessa recuperação.

  • As pessoas saudáveis, felizes e de sucesso não evitam o estresse, ele faz parte da vida de todos nós. Porém essas pessoas buscam estar “mais presentes” nas atividades que estão fazendo diariamente com consciência e auto responsabilidade. Portanto, avalie quais são suas escolhas diárias para preencher o seu dia, e se elas estão alinhadas com os seus desejos. Além disso, durante as atividades, tente conectar-se com o que está fazendo e sentindo no momento, sem ficar pensando na próxima atividade ou em algo que já aconteceu.

  • Outra descoberta é buscar simplificar a vida: menos é mais. Quando tentamos fazer mais coisas em menos tempo nos sobrecarregamos e pagamos um preço muito alto. Portanto, fica a dica de usar o seu tempo com o que é essencial, saborear cada momento com tudo de bom que ele tem a lhe oferecer.

  • Temos que aprender a dizer não, afinal nosso tempo é limitado. Na medida que dizemos sim para tudo estamos fadados à infelicidade e menos sucesso, desconectados do que realmente nos é importante. Comece a avaliar sempre o que está fazendo e se aquilo está alinhado com o que você gostaria.

Como você pode perceber são estratégias fáceis e possíveis de incluir na sua rotina, porém você terá que agir. Se você deseja ter uma vida menos estressante e plena, você precisará avaliar o que não está funcionando e estabelecer planos e metas rumo à mudança.

Busque focar em metas que envolvam crescimento, conexão e contribuição, ao invés de metas envolvendo dinheiro, beleza e popularidade. Alinhe as metas aos seus valores pessoais, ao invés de colocar como objetivo algo por convenção social. Nossa cultura muitas vezes nos força a acreditar que a riqueza material é o que mais importa, mas a chamada “revolução da felicidade” vem nos ensinar que o que verdadeiramente nos preenche é levar uma vida com prazer para o benefício presente e significado para um benefício futuro. Essa sim é a moeda final!

Fernanda Bretas é psicóloga, especialista em Psicologia Positiva. O conteúdo expresso é de total responsabilidade do colunista e não representa a opinião da DeFato.

<

MAIS NOTÍCIAS