Coronavírus: Itabira pretende abrir cinco novos leitos de UTI

Mesmo planejando abrir novos leitos de UTI, prefeito Marco Antônio Lage destaca que essa não é a solução, já que a maioria dos óbitos por Covid-19 acontece nas Unidades de Terapia Intensiva

Coronavírus: Itabira pretende abrir cinco novos leitos de UTI
Foto: Divulgação/Prefeitura de Itabira
O conteúdo continua após o anúncio


Durante coletiva de imprensa realizada na manhã deste sábado (6), o prefeito de Itabira, Marco Antônio Lage (PSB), afirmou que a Secretaria Municipal de Saúde pretende abrir ao menos cinco novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para reforçar o enfrentamento à pandemia de coronavírus. Atualmente, todos os leitos de UTI para pacientes Covid-19 estão ocupados nos hospitais Nossa Senhora das Dores e Carlos Chagas.

De acordo com Marco Antônio Lage, na próxima semana dará início aos processos para buscar e adquirir equipamentos para equipar essas unidades. Ele, porém, reforça que a abertura de novos leitos de UTI não é a solução para desafogar o sistema de saúde da cidade — sendo que a principal alternativa para frear o avanço da pandemia, neste momento, é o isolamento social.

“Vamos buscar, na próxima semana, mais equipamentos para abrir pelo menos cinco leitos de UTI. Mas, infelizmente, não é solução, pois 85% dos óbitos [por coronavírus] são de pessoas internadas em UTIs — é importante ser claro quanto a isso. Então a solução, para este momento de crise, é o isolamento. Não tem outra solução”, avaliou Marco Antônio Lage.

O prefeito, ainda, lembrou que as UTIs do Sistema Único de Saúde (SUS) podem receber pacientes de toda Minas Gerais. Como o Estado enfrenta um possível colapso da sua rede de saúde, assim que esses novos leitos forem inaugurados, podem ser rapidamente ocupados caso não haja redução dos casos de coronavírus.

“Hoje, um terço da ocupação dos leitos de UTI são de pacientes de outras cidades e isso pode aumentar. Como já determinou o Governo do Estado, cidade que tem leito de UTI disponível vai receber enfermos de qualquer lugar de Minas Gerais. Então, abrindo novos leitos, eles serão rapidamente ocupados”, ressaltou Marco Antônio Lage.

A secretária de Saúde, Eliana Maria Torres Horta Lage Guerra, afirmou que devido a demanda existe uma dificuldade em se encontrar profissionais para atuar nas Unidades de Tratamento Intensivo, o que pode dificultar a abertura de novos leitos. “Os nossos hospitais estão com muitas dificuldades de contratação de enfermeiros e técnicos de enfermagem. Estão trabalhando para que isso se resolva. É uma dificuldade que estamos enfrentando e devemos continuar enfrentando nesse período de crise”, afirmou.

MAIS NOTÍCIAS