Deslocamento de talude em Barão de Cocais aumenta para 19 cm neste sábado

De acordo com informações da Agência Nacional de Mineração (ANM) o talude localizado na cava da Mina de Gongo Soco, há 1,5 km da barragem Sul Superior, em Barão de Cocais, chegou a se mover 19 cm neste sábado, 25. A atualização foi repassada pela agência às 17h e destaca que a velocidade de deformação […]

Deslocamento de talude em Barão de Cocais aumenta para 19 cm neste sábado

De acordo com informações da Agência Nacional de Mineração (ANM) o talude localizado na cava da Mina de Gongo Soco, há 1,5 km da barragem Sul Superior, em Barão de Cocais, chegou a se mover 19 cm neste sábado, 25. A atualização foi repassada pela agência às 17h e destaca que a velocidade de deformação na porção inferior do talude norte chega 14,4 mm/dia.

A velocidade do deslocamento vem aumentando desde abril, quando começou a se movimentar cerca de 5 cm por dia, ritmo que só se acelera desde então, segundo dados divulgados periodicamente pela ANM. Na quinta à noite, tal velocidade era de 16 cm nos pontos críticos. De acordo com projeções divulgadas pela agência e pela Vale, empresa responsável pelo local, nesse ritmo o desabamento do talude norte na cava da mina estaria previsto para ocorrer até este sábado (25).

Segundo a ANM, o talude norte da cava de Gongo Soco estava se deslocando 10 centímetros por ano desde 2012, um deslocamento aceitável dada a dimensão da estrutura, mas neste ano começou a acelerar sua movimentação. A preocupação com o desabamento do talude é de que a vibração causada seja suficiente para romper a barragem de rejeitos Sul Superior da mina, que fica a 1,5 km da cava. Caso isso ocorra, em cerca de cinco minutos o distrito de Barão de Cocais (MG), mais próximo da estrutura, pode ser atingido.

Em 22 de março, a barragem Sul Superior foi classificada com o nível 3 de alerta, que significa risco iminente de rompimento. Desde 8 de fevereiro, quando o risco ainda era nível 2, as pessoas começaram a ser retiradas da chamada zona de autossalvamento, isto é, aquelas áreas que seriam alagadas em menos de 30 minutos ou que estão situadas a uma distância de menos de 10 quilômetros.

De acordo com a Defesa Civil de Minas Gerais, 443 moradores da zona de autossalvamento em Barão de Cocais deixaram suas residências. No dia 25 de março, um treinamento envolveu mais de 3,6 mil pessoas que vivem em áreas secundárias que seriam atingidas. Um novo simulado foi realizado há uma semana.

Vale

Em nota divulgada hoje, a Vale informou que os resultados do monitoramento realizado até a manhã deste sábado demonstram que o talude Norte continua tendo movimentação e que os resultados da barragem Sul Superior permanecem sem alteração na leitura dos instrumentos, mantendo-se no nível 3 de emergência. As pessoas que moram ou convivem na Zona Secundária de Segurança devem se manter atentas aos chamados de emergência que podem ser feitos por viaturas oficias com giroflex, sirenes ligadas e mefagones. (Com Agência Brasil)