Itabira, melhor cidade mineira para se viver, informa órgão especialista do Rio de Janeiro

Itabira é a melhor cidade mineira para se viver, segundo o Índice de Desenvolvimento dos Municípios Brasileiros, divulgado neste sábado, 22 de agosto, pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). A pesquisa, feita em 2006, mede a qualidade de vida nas cidades a partir do desempenho dos setores da saúde, educação e geração […]

Itabira é a melhor cidade mineira para se viver, segundo o Índice de Desenvolvimento dos Municípios Brasileiros, divulgado neste sábado, 22 de agosto, pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). A pesquisa, feita em 2006, mede a qualidade de vida nas cidades a partir do desempenho dos setores da saúde, educação e geração de emprego e renda.
 
Ainda de acordo com a Firjan, como os dados da pesquisa são de 2006, a situação de alguns municípios mineiros pode mudar a partir deste ano, principalmente no que se refere à geração de emprego e renda, devido à crise internacional. Mas outros fatores são pesados nos resultados.
 
A defasagem temporal de três anos entre o IFDM e sua divulgação decorre do fato de serem utilizadas apenas estatísticas oficiais, informou o Firjam. “Com efeito, somente em 2009 foi possível reunir concomitantemente dados dos Ministérios da Educação, da Saúde e do Trabalho para o ano sob análise”, informa porta-voz da instituição do Estado do Rio de Janeiro..
 
A metodologia pioneira e única do IFDM distingue-se por ter periodicidade anual, recorte municipal e abrangência nacional. Estas características possibilitam o acompanhamento do desenvolvimento humano, econômico e social de todos os municípios brasileiros, apresentando uma série anual, de forma objetiva e com base exclusiva em dados oficiais.
 
Uma das vantagens do IFDM é permitir a orientação de ações públicas e acompanhar seus impactos sobre o desenvolvimento dos municípios – não obstante a possibilidade de agregação por Estados. Deste modo, constitui-se uma importante ferramenta de gestão pública e de accountability democrática.
 
O IFDM considera, com igual ponderação, as três principais áreas de desenvolvimento humano, a saber, Emprego e Renda, Educação e Saúde. A leitura dos resultados – por áreas de desenvolvimento ou do índice final – é bastante simples, variando entre 0 e 1, sendo quanto mais próximo de 1, maior o nível de desenvolvimento da localidade. Neste sentido, estipularam-se as seguintes classificações: municípios com IFDM entre 0 e 0,4 são considerados de baixo estágio de desenvolvimento; entre 0,4 e 0,6, de desenvolvimento regular; entre 0,6 e 0,8, de desenvolvimento moderado; e entre 0,8 e 1,0, de alto desenvolvimento.
 
Os resutados dos estudos da Firjam, considerados de real importância por técnicos da área de desenvolvimento humano, foram divulgados nos jornais MG-TV e Jornal Nacional da Rede Globo de Televisão deste sábado.
 
REGIÃO
 
Alguns municípios da região são assim destacados pelo estudo da Firjan, por ordem de classificação, de acordo com os índices apurados (Médio Piracicaba e Centro-Leste):
 
1º — Itabira — 0,8548
2º — João Monlevade — 0,7780
3º — Nova Era — 0,6968
4º — Dom Silvério — 0,6640
5º — Bom Jesus do Amparo — 0,6634
6º — Dores de Guanhães — 0,6507
7º — São Domingos do Prata — 0,6433
8º — Barão de Cocais — 0,6367
9º — Rio Piracicaba — 0,6344
10º — Itambé do Mato Dentro — 0,6317
11º —   Guanhães — 0,6275
11º — Bela Vista de Minas— 0,6098
12º — Santa Bárbara — 0,6019
13º — Nova União — 0,5965
14º — Carmésia — 0,5902
14º — Alvinópolis — 0,5883
15º — Ferros — 0,5809
16º — Passabém — 0,5572
17º — Santo Antônio do Rio Abaixo — 0,5523
18º — Senhora do Porto — 0,5240
19º — Conceição do Mato Dentro e São Sebastião do Rio Preto — 0,5120
 
Nova Lima é  segunda colocada com índice 0,8475, em terceiro, Ouro Branco, 0,8444 e, em quarto, Belo Horizonte, com índice 0,8417. Itajubá teve a medição 0,8122, em 12º lugar. O IFDM de Minas Gerais é de 0,7911.
O conteúdo continua após o anúncio
<

MAIS NOTÍCIAS