Municípios mineradores deveriam ser obrigados a investir na diversificação econômica, defende Zema

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), disse, em entrevista concedida com exclusividade à reportagem do Grupo DeFato, que vê como urgente a adoção de um novo modelo de investimentos por parte dos municípios mineradores, no que se refere aos royalties recebidos como compensação financeira. Segundo ele, é preciso “copiar modelos de países sérios” […]

Municípios mineradores deveriam ser obrigados a investir na diversificação econômica, defende Zema
Governador Zema

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), disse, em entrevista concedida com exclusividade à reportagem do Grupo DeFato, que vê como urgente a adoção de um novo modelo de investimentos por parte dos municípios mineradores, no que se refere aos royalties recebidos como compensação financeira.

Segundo ele, é preciso “copiar modelos de países sérios” que exploram petróleo, por exemplo, carimbando parte dos recursos provenientes da atividade extrativista para a diversificação econômica.

O governador esteve ontem, quarta-feira (5), em Barão de Cocais, na região Central de Minas, onde sobrevoou a área da barragem Sul Superior, da mineradora Vale, que se encontra no mais alto grau de risco de rompimento.

Exaustão das minas em Itabira

Perguntado sobre como o Estado acompanha o caso de Itabira, cujas minas de minério chegarão à exaustão em 2028, o governador disse: “Estive em Itabira na minha campanha e tenho conhecimento dessa situação. Estamos analisando o que pode ser feito”.

Sem entrar em detalhes, o governador declarou que está “neste momento” estudando o que é possível fazer para garantir que o dinheiro dos royalties não seja integralmente consumido durante os tempos de bonança, afim de garantir uma transição econômica sem grandes solavancos.

“Nós sabemos que toda mina tem uma vida útil. Mas aqui no Brasil o que temos assistido é que, quando a atividade econômica cessa, a comunidade sofre consequências negativas”, disse.

Para ele, o exemplo a ser seguido vem dos países produtores de petróleo. “Vários países que produzem petróleo, aqueles sérios, que têm uma classe política preocupada e comprometida com o futuro, sempre destinaram parte do recurso para investimento ou poupança. Infelizmente nós não temos essa cultura”, ressaltou.

Ele disse que pretende chegar a algum formato em breve. “Eu gostaria daqui por diante, e os deputados do meu partido já estão mobilizados, é que parte do imposto advindo dessas atividades seja destinado sempre para se aplicar na diversificação. Não podemos deixar o problema para ser corrigido quando a mina exaure”, ressaltou.

Gabinete de crise e os casos de saúde

Acompanhado do deputado estadual Tito Torres (PSDB), o governador Zema anunciou, em Barão de Cocais, a criação de um “gabinete de crise” para monitorar a situação no município e mitigar os danos caso a estrutura venha a ruir, como aconteceu em Mariana, em novembro de 2017, e em Brumadinho, em janeiro passado.

Uma das áreas que mais chamam a atenção das autoridades é a saúde, uma vez que Barão de Cocais teve aumento geral nas demandas. “A saúde aqui aumentou a demanda por culpa dessa insegurança na mineração, dessa barragem em risco de rompimento. Mas acredito que o governo vai conseguir junto à Vale ou com recursos próprios ajudar o município de Barão de Cocais”, declarou Tito Torres.

 “Com toda certeza vamos analisar a situação daqui e, o que tiver ao nosso alcance, nós faremos”, disse o governador, referindo-se ao comprovado aumento nos casos de doenças inclusive psicossomáticas, como depressão.