Parteira de São Gonçalo do Rio Abaixo faz 100 anos e é homenageada

O ofício de parteira nunca pareceu pesado às mãos de Dona Bernadethe Gonçalves, moradora de São Gonçalo do Rio Abaixo. Nascida em 5 de maio de 1919, filha de Joana Augusta da Costa e Esechiel Gonçalves, Bernadethe morou na comunidade do Una, de onde praticamente nunca saiu e ficou conhecida nas redondezas por trazer grande […]

Parteira de São Gonçalo do Rio Abaixo faz 100 anos e é homenageada
||

O ofício de parteira nunca pareceu pesado às mãos de Dona Bernadethe Gonçalves, moradora de São Gonçalo do Rio Abaixo. Nascida em 5 de maio de 1919, filha de Joana Augusta da Costa e Esechiel Gonçalves, Bernadethe morou na comunidade do Una, de onde praticamente nunca saiu e ficou conhecida nas redondezas por trazer grande parte dos moradores à vida.

O centenário de Dona Bernadethe será lembrado nesta sexta-feira, 17, pela Câmara Municipal de São Gonçalo. A homenagem, proposta pelo presidente da Casa, Flávio Silva de Oliveira, acontece às 18h, na rua Henriqueta Rubim, 280, bairro Niterói.  “Ela foi e é uma pessoa que faz de sua existência um ensinamento, onde prova a independência e a capacidade da mulher, impondo o respeito com sua honestidade, gratidão pela vida, vencendo, assim, todos os preconceitos a cada dia que passa”, diz a neta Roniela Lopes.

Desde criança, a são-gonçalense trabalhou nas lavouras de diversos cultivos, de onde tirava exclusivamente o seu sustento e de quatro filhos, que assumiu sozinha a criação. Aos 100 anos, com 14 netos, 10 bisnetos e um trineto, Dona Bernadethe se orgulha ao dizer que quando parteira nunca teve uma perda. “Nenhuma criança morreu na minha mão”.

Para a neta, a comemoração da data traz esperança de longevidade às pessoas da comunidade. “É reflexão para cada um sobre estar disposto ou não a investir numa vida longa. Atualmente não é simplesmente viver, temos de fazer melhores escolhas, acerca da alimentação, da prática de exercícios físicos, do exercício contra o estresse, visto que não vivemos mais numa época de serviço braçal predominante. Por fim, é só mais uma das mágicas da vida, que é tão sensível, mas que pode ser misteriosamente surpreendente”, disse.