Polícia Civil faz reconstituição do assassinato de mototaxista em Monlevade

Crime teve motivação passional. Ex da vítima mantinha relacionamento com um dos suspeitos do assassinato

Polícia Civil faz reconstituição do assassinato de mototaxista em Monlevade
Os dois suspeitos participaram da reconstituição do assassinato – Foto: Divulgação

A 4ª Delegacia Regional da Polícia Civil (4ª DRPC), em João Monlevade, fez nesta quinta (20), a reconstituição do assassinato do mototaxista Flaviano Marques Assis, de 29 anos. Ele foi executado dia 25 de janeiro, nas proximidades de uma hamburgueria onde trabalhava como entregador, na rua Netuno, no bairro Vera Cruz.

homem-e-morto-enquanto-trabalhava-em-hamburgueria-de-monlevade
Flaviano foi morto a tiros em janeiro deste ano – Foto: Reprodução/Facebook

A reconstituição mobilizou o efetivo da Polícia Civil e Polícia Militar, bem como os agentes da Suapi. Os delegados Alex Dalton de Souza e Camila Alves Batista comandaram os trabalhos. Os dois suspeitos, V.H.I. e J.A. da C. participaram da reconstituição do crime, que foi passional. Isso porque a vítima teve um relacionamento com uma mulher, com quem teve filhos e segundo ela, haviam terminado há cerca de oito meses. A mulher afirmou que, posteriormente, se envolveu com J., que é um dos suspeitos do assassinato. A Polícia Civil inclusive teve acesso aos aparelhos celulares dos envolvidos, e detectou troca de ameaças. O desentendimento entre vítima e suspeito teria começado duas semanas antes do crime.

Dia do crime

O conteúdo continua após o anúncio

No dia do crime, Flaviano, acompanhado de um amigo, foi à casa de J. No local eles entraram em luta corporal e houve jura de morte. J. então procurou V. para arquitetar o crime.

Na noite do assassinato, J. pilotava uma moto, e V. estava na garupa. Eles deram cerca de três voltas nas redondezas em que se localiza a hamburgueria onde Flaviano trabalhava. O intuito era ter certeza de que não haveria testemunhas do crime.

Em dado momento, J. parou a moto em uma rua acima da hamburgueria, enquanto V. desceu a pé, com uma blusa preta e de capacete. Na hamburgueria, ele chamou por Flaviano por quatro vezes, até que o dono do local avisou o funcionário. Flaviano foi para o lado de fora. V. perguntou o nome dele, que confirmou. Nesse momento, V. sacou a arma e deu um disparo no chão e outro certeiro no peito. A vítima tentou lutar contra o autor, para arrancar a arma, mas o suspeito fugiu a pé, até se encontrar com J. Os dois então fugiram. Importante destacar que V.H.I. é suspeito de roubos, na região de Conceição do Piracicaba, conhecido como Jorge. A localidade pertence à cidade de Rio Piracicaba.

MAIS NOTÍCIAS