Tenho zumbido no ouvido, e agora?

Confira a nova coluna da Dra. Ana Luiza Lage

Tenho zumbido no ouvido, e agora?
Foto: Reprodução / Internet
O conteúdo continua após o anúncio


O zumbido é definido como uma sensação de som na ausência de um estímulo sonoro. É importante entender que o zumbido não é uma doença e sim um sintoma associado a várias tipos de patologias. Representa um dos problemas de ouvido mais comum e perturbador, interferindo muitas vezes na qualidade de vida dos pacientes. Sua prevalência aumenta com a idade, chegando a 30% na população idosa.

A maioria dos adultos já percebeu zumbido transitório em algum momento de suas vidas; em estudo conduzido por Heller e Bergman, observou-se que 94% das pessoas com audição normal relataram zumbido quando em uma cabine fechada e sem eco.

Cerca de 60% a 86% dos pacientes com algum grau de perda auditiva apresentam zumbido, sendo que na maioria dos casos, associado à perda auditiva secundária à exposição a ruído, trauma acústico, envelhecimento do aparelho auditivo e uso de agentes e medicações tóxicos para o ouvido.

O conteúdo continua após o anúncio

Sintomas como ansiedade, desânimo, tristeza, sonolência, insônia ou irritabilidade podem agravar e perpetuar o quadro. O tratamento é individual e vai depender da investigação minuciosa de cada paciente.

Se você sofre com o zumbido:

  • Procure o otorrinolaringologista para investigar a causa, orientar possíveis medidas preventivas e indicar o melhor tratamento.
  • Não faça a auto medicação, você pode piorar o quadro.
  • Saiba que na maioria dos casos é possível redução ou até mesmo cura.
  • Atividade física regular, exercícios de meditação e relaxamento, além da dieta para colesterol e diabetes devem ser valorizadas.

Ana Luiza Lage é Otorrinolaringologista e atende na Clínica Quality Especialidades Médicas (Avenida Carlos Drummond Andrade, 51, salas 422 a 427, Centro) Telefones: 2840 0656/ 2840 0657.

O texto de Ana Luiza Lage integra a coluna Embaixadores da Saúde. O conteúdo expresso é de total responsabilidade do colunista e não representa a opinião da DeFato.

<

MAIS NOTÍCIAS