UFMG desenvolve equipamento portátil para diagnóstico de doenças

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) divulgou nesta segunda (17) um equipamento portátil capaz de realizar diagnóstico rápido de doenças. Outra vantagem é que os resultados podem ser compartilhados por rede, uma vez que a tecnologia é controlada manualmente por um aplicativo instalado em smartphones. A invenção foi desenvolvida por pesquisadores do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) e […]

UFMG desenvolve equipamento portátil para diagnóstico de doenças
|

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) divulgou nesta segunda (17) um equipamento portátil capaz de realizar diagnóstico rápido de doenças. Outra vantagem é que os resultados podem ser compartilhados por rede, uma vez que a tecnologia é controlada manualmente por um aplicativo instalado em smartphones.

A invenção foi desenvolvida por pesquisadores do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) e do Departamento de Física do ICEx.  A tecnologia está sendo utilizada pela Escola de Veterinária para identificação de leucemia em gatos.  

O conteúdo continua após o anúncio

Os biossensores foram criados com o uso da nanotecnologia. De acordo com a universidade, nanobastões de ouro são colocados em uma solução, e neles é aplicada uma molécula – o antígeno de uma doença, por exemplo. Quando entra em contato com moléculas de diagnóstico (presentes nas amostras de sangue, urina ou saliva, por exemplo), o dispositivo é capaz de detectar se houve um aumento do tamanho do nanobastão. Esse aumento significaria, nesse caso, que o anticorpo da doença se conectou ao antígeno, revelando um resultado positivo.

Vídeo produzido pela TV UFMG sobre o dispositivo

Tecnologia nacional
A instituição informou que, na Escola de Veterinária da Universidade, o professor Jenner Reis e a equipe do Laboratório de Retroviroses estão utilizando o dispositivo para identificar o vírus da leucemia felina, cujo diagnóstico normalmente é feito por meio de um material importado, elevando o custo do exame. “Com a plataforma desenvolvida na UFMG, baseada em tecnologia nacional, o custo é menor e resultado, mais rápido e eficiente”, declarou o professor Jenner. Já o professor do ICB e um dos coordenadores de estudo, Ary Corrêa, ressalta que a plataforma facilita o processo de diagnóstico porque pode ser facilmente transportada e dispensa a presença de um laboratório.

MAIS NOTÍCIAS