Um fator faz o cruzeirense iniciar 2021 mais animado: a definição de uma linha de trabalho

Contratações mais criteriosas alimentam uma esperança maior em relação à última temporada

Um fator faz o cruzeirense iniciar 2021 mais animado: a definição de uma linha de trabalho
Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

A temporada de 2020 foi traumática para o Cruzeiro. O altíssimo número de decisões equivocadas culminou na permanência na Série B do Campeonato Brasileiro, algo impensável para muitos torcedores. Porém, o choque de realidade parece ter deixado lições no clube, e 2021 começa de maneira mais esperançosa para o cruzeirense.

Um fator, em especial, deixa o torcedor mais tranquilo quanto à temporada que se aproxima: já é possível perceber uma linha de trabalho. A falta de critérios nas contratações e a aposta em profissionais com pouca rodagem parecem ter ficado um pouco de lado.

Começando pelo treinador, a escolha por Felipe Conceição foi uma boa notícia. Acostumado à competição e com ideias mais arejadas que seu antecessor, Luiz Felipe Scolari, o ex-técnico de América-MG e Guarani promete formar uma equipe competitiva e mais conectada às raízes cruzeirenses. Treinador e elenco afirmam que a intenção é fazer do Cruzeiro um time intenso e de bom futebol.

Quem também chegou e, logo de cara, deixou boas impressões foi André Mazzuco. O novo diretor de futebol da Raposa tem tomado as rédeas das novas contratações, dispensas e outras situações pendentes no elenco. No Vasco, seu ex-clube, Mazzuco foi o principal responsável pelo investimento no meia Martin Benitez e no centroavante Germán Cano.

Ambos foram os grandes destaques na fraca temporada vascaína, quando o time cruzmaltino, mais uma vez, luta para não cair. Não fosse a presença dos atletas estrangeiros, o rebaixamento do clube carioca já poderia estar sacramentado.

Até aqui, no Cruzeiro, Mazzuco esteve à frente na chegada dos cinco reforços do clube em 2021. Alan Ruschel, Marcinho, Matheus Neris, Matheus Barbosa, Felipe Augusto e Bruno José desembarcaram na Toca da Raposa carregando, em comum, uma característica semelhante: todos disputaram a Série B no ano passado.

Além disso, a maioria destes jogadores são novos e podem oferecer o vigor físico que faltou em alguns momentos da última temporada. O mais experiente da turma é Alan Ruschel, hoje com 31 anos, atual campeão da segunda divisão pela Chapecoense.

Dentre os reforços, o mais questionável é Felipe Augusto. Com números fracos na carreira e sem ser convidado a uma renovação de contrato com o América-MG, o ponta chega sob desconfiança da torcida.

Claro que tudo ainda está sendo analisado do ponto de vista teórico, e as respostas só começarão a ser dadas a partir de 28 de fevereiro, quando ocorrerá a estreia no Campeonato Mineiro. Mas as movimentações no mercado e o alívio em ver pessoas do futebol dando as cartas no clube fazem com que a temporada de 2021 se inicie muito mais promissora para o cruzeirense.

Victor Eduardo é jornalista e escreve sobre esportes em DeFato Online.

O conteúdo expresso é de total responsabilidade do colunista e não representa a opinião da DeFato.

<

MAIS NOTÍCIAS