AngloGold Ashanti investe US$ 120 milhões no Brasil

A AngloGold Ashanti anunciou investimento de US$ 120 milhões em 2019 na ampliação de suas reservas minerais de ouro no Brasil. A maior parte do recurso será aplicada em sua maior mina no país, a Mina de Cuiabá, em Sabará (MG), que está em fase de estudos para acessar novos níveis de exploração. Segundo o […]

AngloGold Ashanti investe US$ 120 milhões no Brasil
Foto: AngloGold Ashanti/ Divulgação

A AngloGold Ashanti anunciou investimento de US$ 120 milhões em 2019 na ampliação de suas reservas minerais de ouro no Brasil. A maior parte do recurso será aplicada em sua maior mina no país, a Mina de Cuiabá, em Sabará (MG), que está em fase de estudos para acessar novos níveis de exploração. Segundo o presidente da companhia, Camilo Lelis Farace, a ideia é chegar a 2,5 mil metros de profundidade até 2028. Hoje, a extração é feita a 1,3 mil metros.

“Esses recursos são usados, basicamente, nos estudos para aprofundar cada vez mais a exploração. Para se ter uma ideia, em um furo de sondagem profunda se gasta US$ 1 milhão. A mina de Cuiabá vai passar por obras de infraestrutura para acessar os novos níveis da cava. Chegando ao nível 32 (2,5 mil metros), a vida útil da mina aumenta substancialmente”, disse Farace.

Hoje, Cuiabá é responsável por 55% da produção da AngloGold Ashanti no Brasil. No ano passado, a companhia extraiu 494 mil onças, ou 15 toneladas de ouro, nas minas no Brasil. O volume foi 11% menor que o apurado em 2017, quando se produziu 555,8 mil onças. “Para este ano, a expectativa é um aumento de 5% a 8% na nossa produção. Nossa previsão é que cheguemos aos níveis de 2017”, declara o executivo.

A AngloGold Ashanti, além do complexo de Cuiabá, mantém em Minas Gerais operações na cidade de Santa Bárbara, na unidade Córrego do Sítio, onde funcionam uma planta metalúrgica e duas minas (uma a céu aberto e outra subterrânea). No ano passado, essa unidade produziu 114,9 mil onças. Todo o volume extraído nas duas operações é direcionado para a unidade de fundição da empresa, localizada em Nova Lima (MG).

O terceiro complexo produtivo da companhia no país está na cidade de Crixás (GO), chamado Mina Serra Grande. Na unidade, existe uma mina subterrânea e uma planta metalúrgica. Em 2018, foram produzidas 129,46 mil onças neste local.

O conteúdo continua após o anúncio

Farace afirma que, além dos recursos para aumentar as reservas no Brasil, a companhia está investindo em automação e conectividade em suas minas subterrâneas. Serão aplicados R$ 16 milhões para automatizar os equipamentos, como carregadeiras, usados na operação.

“Conseguimos aumentar a produtividade nas minas. São sistemas para transformar os equipamentos em autônomos. Eles serão operados remotamente. Até o final do ano que vem, toda a operação no país terá equipamentos conectados e automatizados”, disse.

Segundo o executivo, o Brasil é o segundo dentro da AngloGold Ashanti a contar com essas tecnologias na operação de minas subterrâneas. “A Austrália também tem projetos desse tipo. Isso aumenta e muito a segurança e a produtividade das minas”.

Atualmente, a companhia emprega 7 mil empregados no país. De acordo com a empresa, desde março de 2018, ela conta com quatro turnos de trabalho. Isso significa que o tempo efetivo de operações no subsolo passou de 17h15 para 20h20 diárias, considerando todos os turnos de trabalho.

Esse aumento de quase três horas diárias melhorou a capacidade produtiva e possibilitou a contratação de mais de 100 funcionários, segundo Farace. As informações são do Valor Econômico.