Jornal “DeFato Cidades Mineradoras” ganha novo projeto gráfico e editorial

“DeFato Cidades Mineradoras” dar corajoso vazão às demandas mais expressivas de Itabira e região que, sabe-se, é forte produtora de minério de ferro – a principal locomotiva da economia regional e também do Estado de Minas Gerais

Jornal “DeFato Cidades Mineradoras” ganha novo projeto gráfico e editorial

Iniciado em 2014, o jornal “DeFato Cidades Mineradoras” chega à edição 58 de “cara nova”, como os leitores mais assíduos notaram de imediato. As mudanças foram inspiradas nas melhores tendências da comunicação e do jornalismo impresso contemporâneo. Buscam atender o leitor de hoje a partir da distribuição mais equilibrada e atraente dos elementos editoriais, o que exige textos mais objetivos e céleres conjugados a recursos gráficos e visuais que proporcionem uma melhor experiência ao leitor.

Jornalismo firme e corajoso em defesa de Itabira e região

A linha editorial, entretanto, permanece atrelada ao firme compromisso de reportar, com independência e credibilidade, os fatos e acontecimentos mais importantes da vida política, econômica, social e histórico-cultural do Médio Espinhaço e Médio Piracicaba – regiões onde a publicação possui maior presença.

Aliado a isso, pretende “DeFato Cidades Mineradoras” dar corajoso vazão às demandas mais expressivas de Itabira e região que, sabe-se, é forte produtora de minério de ferro – a principal locomotiva da economia regional e também do Estado de Minas Gerais.

Edição traz reportagens especiais sobre a BR-381

O conteúdo continua após o anúncio

Para marcar esta nova fase, o jornal traz uma sequência de reportagens especiais abordando a duplicação da BR-381, uma novela cujo enredo encerra por enquanto mais tragédias que alegrias, a começar pelos assustadores números de acidentes nos seus tortuosos traçados.

Para ficar em apenas um desses dados, foram 23 mil os acidentes registrados na rodovia entre janeiro de 2014 até metade de 2018, segundo dados da Polícia Rodoviária Federal. Foram 966 mortos e 18 mil feridos. Estas estatísticas pavorosas precisam ter um fim, e isso somente se desenhará com a duplicação de toda a rodovia.

Entre idas e vindas, promessas não-cumpridas e obras abandonadas na metade do caminho, surge vez em quando um novo anúncio, que só depois se descobre se tratava-se de nova promessa ou mais um passo finalmente conquistado.

Nesta edição, especialmente, “DeFato Cidades Mineradoras” aborda dois anúncios recentes vindos do Ministério da Infraestrutura: um garante recursos para o término dos trechos 3 e 7, enquanto outro sinaliza a concessão das obras de duplicação da rodovia para a iniciativa privada já no terceiro semestre do ano que vem.

A BR-381 é um assunto que não se esgotará enquanto buracos, obras inacabadas, mortes e traumas superarem os trechos pacíficos. Ora abordado aqui, ora no portal DeFato Online (www.defatoonline.com.br), o leitor tem nosso compromisso: a duplicação da BR-381 é pauta permanente. Pelo menos até que chegue o dia em que ficará para trás o título de “Rodovia da Morte” para descortinar um novo momento, de “Rodovia da Vida” – estrada indutora de progresso, empregos e desenvolvimento regional. Até lá!