Com aumento de mortes, Olimpíada com pandemia assusta cidadãos de Tóquio

Em Tóquio, há um sentimento forte de que os Jogos Olímpicos deveriam ser cancelados. Tudo por causa da pandemia

Com aumento de mortes, Olimpíada com pandemia assusta cidadãos de Tóquio
Foto: Getty Images

A Olimpíada de Tóquio se aproxima e os moradores da capital japonesa estão assustados. A nova onda de contaminação pela Covid-19, com o aumento do número de mortes comparado à lentidão das campanhas de vacinação, é o motivo. Ainda mais com a iminente chegada de 11 mil estrangeiros ao país.

Em Tóquio, há um sentimento forte de que os Jogos Olímpicos deveriam ser cancelados. As ruas não estão como antes. Nem as empresas, os restaurantes e os parques da cidade. Estão mais vazias e tristes. O transporte público reduz o número de ônibus, metrôs e trens nos fins de semana para forçar o cidadão da capital a ficar em casa. Tudo por causa da pandemia. Há muito medo no ar.

Um recorrente aumento da epidemia está colocando a opinião pública contra a realização dos Jogos. A capital e outras nove províncias estão em estado de emergência. Os governos do Japão e de Tóquio, no entanto, aceitam o desafio de realizar o evento para, segundo o Comitê Organizador, “iniciar a vitória sobre o vírus a partir da conformidade e do respeito ao próximo”, valores presentes na cultura japonesa.

Na teoria, isso é lindo. Na prática, o cidadão comum, que depende do sistema de saúde público, vê a aproximação dos Jogos com reticência. Por causa das novas variantes do vírus, a epidemia que parecia estar controlada no fim do inverno (fevereiro), volta a crescer. A média diária de casos é de cinco mil novos contaminados em todo o país, sendo 700 na capital japonesa, que já está enfeitada para a competição, cuja abertura está marcada para 23 de julho. O clima é de muita desconfiança.

Pesquisas de opinião mostram que posições contrárias à competição agora são de 60% a 65%, no momento em que mobilizações contra sua realização ganham força nas mídias sociais e em locais movimentados como Shibuya e Shinjuku. Manifestações e abaixo-assinados são cada vez mais frequentes pedindo o cancelamento da Olimpíada. Jornais locais, como Japan Times e Asahi Shimbun, têm revelado pesquisas em diversos segmentos da sociedade.

Os empresários japoneses defendem que os Jogos devem ser adiados (32%) ou cancelados (37%). O clamor dos populares segue na mesma linha. Cerca de 43% das pessoas pedem o cancelamento da Olimpíada e 40%, o seu adiamento. No geral, 65% das pessoas não aprovam a disputa. O COI e o Comitê Olímpico Local não admitem nem uma coisa nem outra.

O adiamento dos Jogos elevou seu custo de US$ 12,6 bilhões (cerca de R$ 66,4 bilhões) para US$ 15,4 bilhões (aproximadamente R$ 80,6 bilhões). O valor é US$ 2,8 bilhões (R$ 14,5 bilhões) superior, sendo que a ausência de turistas não trará dividendos ao Japão. Os Jogos do Rio-2016 custaram US$ 13,2 bilhões (cerca de R$ 43,3 bilhões).

Tóquio-2020 diz que 18 mil serão vacinados

O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, adiados em um ano por causa da pandemia do novo coronavírus, anunciou que 18 mil membros da organização, incluindo árbitros e voluntários, serão vacinados a partir da próxima semana para reforçar a confiança à medida que se aproxima o evento.

De acordo com Seiko Hashimoto, presidente do Comitê Organizador de Tóquio-2020, a vacinação incluirá as pessoas com interação “próxima e frequente com os atletas”.

No Japão, as autoridades ainda precisam lidar com a pressão do movimento contrário aos Jogos Olímpicos e o temor de aumento de contágios durante o evento, enquanto o programa de imunização avança de maneira lenta: apenas 4% da população japonesa está completamente vacinada no país.

Entre os vacinados estarão árbitros, funcionários da Vila Olímpica, funcionários do Aeroporto Internacional de Narita, pessoas que trabalharão nos testes antidoping e membros dos comitês nacionais olímpicos e paralímpicos.

Uma parte dos 70 mil voluntários também participarão da campanha, que começará na próxima sexta-feira e terá as segundas doses aplicadas antes do início do evento, caso tenham contato próximo com os atletas.

Os organizadores tentam convencer a opinião pública japonesa sobre a eficácia das medidas que serão adotadas para garantir a segurança dos participantes e da população. Os torcedores procedentes do exterior foram vetados e as autoridades devem decidir nas próximas semanas sobre a presença nos locais de competição de espectadores que moram no Japão.

Várias regiões do país, incluindo a capital Tóquio, se encontram desde o final de abril em estado de emergência sanitária, que deve terminar no próximo dia 20, enquanto os contágios estão em queda.

* Com Estadão Conteúdo.

MAIS NOTÍCIAS