Conta de luz ficará em média 8,73% mais cara em Minas Gerais

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira, 21 de maio, um reajuste médio de 8,73% para os consumidores da Cemig Distribuição (Cemig-D). A nova tarifa entra em vigor a partir da próxima terça-feira, 28 de maio. Segundo a Cemig, o reajuste para consumidores de baixas tensão (residenciais) foi de 6,93% e para […]

Conta de luz ficará em média 8,73% mais cara em Minas Gerais
Foto: Marcos Vieira

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira, 21 de maio, um reajuste médio de 8,73% para os consumidores da Cemig Distribuição (Cemig-D). A nova tarifa entra em vigor a partir da próxima terça-feira, 28 de maio.

Segundo a Cemig, o reajuste para consumidores de baixas tensão (residenciais) foi de 6,93% e para os de alta tensão (indústrias) será de 10,71%.

Ainda de acordo com a companhia mineira, “o que mais influenciou a decisão da Aneel para esse aumento foi a escassez de chuvas do ano passado, quando as usinas termelétricas, que são mais caras para produzir energia, foram acionadas constantemente em quase todo o segundo semestre”.

Conforme a Aneel, o reajuste da Cemig foi impactado pelo aumento dos custos de aquisição de energia, como por exemplo, da Usina Hidrelétrica de Itaipu que é precificada em dólar.

O pagamento do empréstimo da Conta ACR contribuiu para redução de 2,85% no reajuste. A Aneel lembra que a Conta-ACR foi um mecanismo de repasse de recursos às distribuidoras para cobertura dos custos com exposição involuntária no mercado de curto prazo e o despacho de termelétricas entre fevereiro e dezembro de 2014.

Já a bandeira tarifária contribuiu para reduzir em 4,96% o índice final do reajuste da empresa mineira. A distribuidora fornece energia para 8,4 milhão de unidades consumidoras localizadas 774 municípios no Estado de Minas Gerais.