Transporte público segue como motivo de reclamação dos itabiranos

Horários insuficientes, demora na espera do ônibus e número de carros que não absorvem toda a demanda são as principais reclamações dos usuário do transporte público

Transporte público segue como motivo de reclamação dos itabiranos
Foto: Arquivo/DeFato
O conteúdo continua após o anúncio


Após a publicação de uma reportagem sobre o descontentamento dos itabiranos com o funcionamento do transporte público na cidade, diversas outras manifestações surgiram relatando falhas no serviço. Horários insuficientes, demora na espera do ônibus e número de carros que não absorvem toda a demanda são as principais reclamações de quem depende dos ônibus em seu dia a dia.

Há outros relatos de leitores da DeFato sobre as falhas e os descontentamento com o transporte público na cidade. Quer conferir? Acesse aqui!

Entenda

Na quinta-feira (14), começaram a valer novas regras para o transporte público em Itabira: só poderão ser transportados passageiros sentados e que estejam usando máscaras. Além disso, as janelas dos ônibus devem permanecer sempre abertas, precisa haver disponibilidade de álcool em gel em todos os veículos e os carros devem passar por higienização minuciosa diária.

Para os idosos, os horários para embarcar gratuitamente nos ônibus também mudaram. Agora, eles passaram a ser de 10h às 16h e de 20h às 6h. Com a provável redução do número de passageiros em cada ônibus, a Prefeitura de Itabira garantiu que seriam adicionados 33 horários para suprir a demanda. Sendo 12 novas linhas no sentido centro-bairro e reforço em 21 trajetos já existentes.

Essas medidas foram instituídas pelo Decreto Nº 115/2021 e têm como objetivo reforçar as ações de combate ao coronavírus na cidade.

Posicionamento oficial

A reportagem do grupo DeFato entrou em contato com a assessoria de comunicação da Prefeitura de Itabira questionando sobre as reclamações dos usuários de transporte coletivo e o que tem sido feito para solucionar os problemas e otimizar a prestação desse serviço na cidade.

O conteúdo continua após o anúncio

À seguir, o posicionamento oficial da Prefeitura de Itabira:

A respeito do transporte coletivo, a Prefeitura de Itabira esclarece que a determinação para que os ônibus somente circulem com passageiros sentados partiu da necessidade de coibir a superlotação nos veículos e a consequente proliferação da Covid-19. A circulação de ônibus lotados era uma reclamação dos usuários, que alegavam, com razão, insegurança quanto à doença.

A exigência de que somente passageiros sentados sejam transportados foi acompanhada de um escalonamento nos horários do comércio, justamente para reduzir a demanda nos horários de pico. Além disso, a Secretaria Municipal de Obras, Transporte e Trânsito (SMOTT), por meio da Transita, acertou junto à concessionária o acréscimo de mais de 30 itinerários.

Desde a mudança, o município tem acompanhado de perto os impactos da nova determinação. A Prefeitura tem ciência, sim, das manifestações dos usuários e adota medidas para mitigar os problemas identificados. Na semana passada foram feitos ajustes em linhas que atendem às comunidades do Santa Marta, Santa Tereza e Gabiroba, por exemplo.

Todos os ajustes são feitos a partir desse acompanhamento próximo e de estudos das linhas que mais são demandadas pelos usuários. Importante esclarecer que não há indisponibilidade de vagas. Segundo a Transita, nos horários de pico, os ônibus oferecem capacidade para 7.220 passageiros sentados, frente a uma demanda média diária de 4,5 mil usuários. O que tem sido feito, então, é a adequação dessa oferta, aumentando a disponibilidade naquelas linhas e horários que são mais requeridos pela comunidade.

A Prefeitura de Itabira entende as ponderações da comunidade e conta com elas para melhorar o sistema de transporte coletivo urbano. O município reafirma o caráter emergencial da medida e ressalta que a saúde da população é a prioridade observada. Os ajustes necessários continuarão sendo feitos até que o sistema atenda às demandas dos usuários, sem deixar de lado as regras sanitárias de combate à proliferação do coronavírus.

<

MAIS NOTÍCIAS