Personagens itabiranos: Emílio Pereira de Magalhães e Antônio Quatorze Magalhães

Itabira 172 anos – Relembre personalidades que marcaram a história do município

Personagens itabiranos: Emílio Pereira de Magalhães e Antônio Quatorze Magalhães
Foto: Divulgação
O conteúdo continua após o anúncio

Aos 172 anos, Itabira carrega em seu colo personagens muito importantes à sua história. São muitas as personalidades que contribuem com a narrativa da cidade. Algumas dessas figuras são: Emílio Pereira de Magalhães e Antônio Quatorze Magalhães .

Emílio Pereira de Magalhães

Foto: Divulgação

Filho de Cândido de Souza Pereira e Maria Eulália de Magalhães, Emílio Pereira de Magalhães nasceu em Itabira em 27 de Abril de 1852. Cedo, foi mandado pelos pais ao rigoroso Seminário do Caraça, na vizinha Catas Altas, onde fez o curso de humanidade e teologia.

Seguiu para Santana do Alfié, em São Domingos do Prata. E depois para Ouro Preto, dedicando-se a concurso para regência das cadeiras latim e francês, criadas em Itabira. Após diversas provas foi classificado, sendo nomeado em 1879 para trabalhar em Itabira, o Dr. Carvalho de Brito, hoje Escola Municipal Coronel José Batista.

Figura importante para a política e à imprensa, ele trabalhou no correio de Itabira com o comendador José Antônio da Silveira Drummond. Casou-se duas vezes: com Deolinda, com quem teve dois filhos, e com Polcina, com quem teve nove. Morreu em 1917.

O conteúdo continua após o anúncio
Foto: Divulgação

Antônio Quatorze Magalhães

Foto: Divulgação

Antônio Quatorze Magalhães nasceu em Sabará, em 14 de Maio de 1882. Filho de José Custódio de Magalhães e de Maria Horácia de Lima, herdou do pai e do avô o ofício de ourives. Trabalhou que começou a exercer desde muito cedo.

Em 1911, como joalheiro, foi premiado em exposição internacional organizada em Turim, na Itália. Fabricou joias com o ouro explorado no Pico do Cauê.

Por toda Itabira do Mato Dentro e cidades vizinhas compravam-se as jóias por ele fabricadas. Que até hoje fazem parte do acervo de famílias tradicionais. Seus filhos Albony Magalhães e Geraldo Magalhães, e o neto Valério, continuam no ofício, na rua Mestre Emílio, no centro de Itabira. Antônio morreu em Itabira em 21 de outubro de 1943.

MAIS NOTÍCIAS