Receita Federal apreende droga desconhecida da ciência vinda da Holanda

A droga foi apreendida no Centro Internacional dos Correios, no Paraná. A substância tinha como destino São Paulo, capital

Receita Federal apreende droga desconhecida da ciência vinda da Holanda
Foto: Divulgação/Receita Federal/Estadão

Agentes da Receita Federal encontraram, no último dia 26 de agosto, no Centro Internacional dos Correios, em Pinhais, região metropolitana de Curitiba — no Paraná —, durante inspeção de rotina, 1,2 kg de uma substância amarela compactada e dividida em cinco volumes originários da Holanda. O destino seria São Paulo, capital.

O caso, porém, foi divulgado só no dia 13 de setembro, após análise do Laboratório Multiusuário de Ressonância Magnética Nuclear, da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Segundo o resultado do estudo, a droga foi identificada como “canabinoide sintético desconhecido”, por ainda não constar na literatura científica.

Receita Federal apreende droga desconhecida da ciência vinda da Holanda
Análises do Laboratório Multiusuário de Ressonância Magnética Nuclear apontaram que a substância é um “canabinoide sintético desconhecido”. – Foto: Divulgação/Receita Federal/Estadão

A droga foi descoberta após passar pelo aparelho de scanner e em seguida ter sido farejada pelos cães de faro que estavam no local. Em seguida, o material foi encaminhado para ser analisado pelos especialistas.

+ Cidades devem repassar vacinas para outros municípios para aumentar cobertura vacinal em Minas

+ Belmont oferece uma vaga de emprego aos itabiranos. Confira!

+ Incêndio de grande proporção devasta vegetação do Pico do Amor, em Itabira

A Receita Federal divulgou, por meio da assessoria, o laudo do laboratório:

“A análise exaustiva dos dados de RMN obtidos para a amostra e a comparação destes com a literatura, permitiu concluir que se trata de uma substância da classe dos canabinoides sintéticos. Além disso, os dados permitiram concluir que se trata de um novo canabinoide sintético, ainda não descrito na literatura”, concluiu.

* Com Estadão Conteúdo.

MAIS NOTÍCIAS