Vetão cobra esclarecimentos de Márcio Passos: “eu acredito que não tem ninguém aqui trabalhando com barganha”

Temporada de relacionamento espinhoso entre o Executivo e o Legislativo de Itabira segue com novos episódios

Vetão cobra esclarecimentos de Márcio Passos: “eu acredito que não tem ninguém aqui trabalhando com barganha”
Vetão pede ao secretário Márcio Passos que preste satisfações à Câmara. Foto: Acom PMI
O conteúdo continua após o anúncio


As declarações do secretário de Governo Márcio Passos a DeFato (leia aqui) não foram nada razoáveis para o presidente da Câmara de Itabira, Weverton Leandro Santos Andrade, o “Vetão” (PSB). “Eu acredito que não tem ninguém aqui trabalhando com barganha. Até mesmo gostaria que [ele] se posicionasse para mostrar qual barganha que está sendo feita”, soltou à imprensa, na tarde desta segunda-feira, 14.

Vetão considerou “perigosa” a afirmativa de Márcio Passos, de que “o governo Marco Antônio [colega de partido do presidente] não faz acordos ou negociatas com vereadores, conforme acontecia nos governos anteriores”.

“Eu até gostaria que o mesmo [secretário] viesse a público e desse esclarecimentos mais contundentes sobre essa fala, que é uma fala perigosa. É como a gente diz: os poderes são harmônicos, porém independentes. Tem que ter um respeito por esta instituição que é tão importante e eu não posso, como presidente, aceitar que uma fala dessa seja direcionada à Câmara. Ele tem o direito dele de falar, de se expressar – a gente respeita esse direito -, mas, caberia por parte dele, realmente, fazer um esclarecimento sobre isso.”

Empréstimo

O governo municipal tenta crescer uma pressão popular para que a Câmara ressuscite o projeto de lei (PL) 48/2021, que prevê a contratação de um empréstimo de R$ 70,15 milhões com a Caixa Econômica Federal. Nesse domingo, 13, o financiamento foi defendido junto à Interassociação dos Amigos de Bairros de Itabira pelo assessor de Gestão, Programas e Metas da Prefeitura, Gabriel Quintão.

O Poder Executivo quer que a Câmara invoque o artigo 157 de seu regimento interno (clique aqui). Versa o instrumento que “a matéria constante de projeto de lei rejeitado somente poderá constituir objeto de novo projeto, na mesma Sessão Legislativa, mediante proposta da maioria dos membros da Câmara”.

Perguntado sobre o tema, Vetão se intitulou “guardião do regimento interno”. O projeto, assim, somente será desenterrado se o pressuposto legal for cumprido. “Há possibilidade, sim, se houver nove vereadores votando favorável ao requerimento para a gente poder colocar o projeto novamente em discussão”. O presidente não indicou se há movimentações nesse sentido.

MAIS NOTÍCIAS