Secretário de Assistência Social de Itabira diz quais doações Santa Maria mais precisa neste momento

Comida pronta e veículos 4 x 4 estão entre as maiores demandas

Secretário de Assistência Social de Itabira diz quais doações Santa Maria mais precisa neste momento
Caminhões com água potável foram destinados a Santa Maria na tarde de hoje. Foto: Portal DeFato

Desde ontem (21), Itabira e região se uniram em um clima de solidariedade para ajudar sua cidade-irmã, Santa Maria de Itabira. Várias toneladas de alimentos, água e outros produtos foram arrecadados desde então — e os números não param de subir.

Por isso, a DeFato conversou, na tarde desta segunda-feira (22), com o secretário de Assistência Social de Itabira, Elson Alípio Júnior, para detalhar quais são as maiores necessidades de Santa Maria de Itabira neste momento.

Segundo ele, o município vizinho está com a capacidade de produção de comida pronta limitada. Por isso, o secretário lista comidas do tipo marmitex (500 para manhã e noite), veículos 4 x 4 e itens de higiene pessoal (escova de dente, pasta de dente, fraldas, pomadas para assadura etc.) como as maiores demandas atualmente.

Os interessados em contribuir devem procurar a sede do Corpo de Bombeiros em Itabira, localizada no bairro Amazonas, rua São Paulo. No local, estão cerca de 55 pessoas, entre voluntários e funcionários da Prefeitura de Itabira. Eles recebem, identificam e realizam a triagem dos produtos, que podem ser recebidos entre 8h e 17h.

Elson afirma, inclusive, que este é, desde ontem, o único ponto de recolhimento atual das doações, já que a Prefeitura não consegue se dividir em várias frentes neste momento, dada a dificuldade de logística. Por outro lado, peças de vestuário e calçados não são mais prioridade, pois já foi alcançada uma quantidade superior à necessidade. Ao contrário das roupas de cama e banho, itens que continuam muito bem-vindos.

Além da equipe que atua no ponto de coleta do Corpo de Bombeiros, Itabira também possui funcionários em Santa Maria. São nove deles no local, mas este número tende a aumentar, como explica Elson.

“No destino final, que é em Santa Maria de Itabira, também tem gente nossa apoiando desde hoje de manhã. E amanhã vamos ter um contingente muito maior realizando o apoio. Hoje, nós temos lá uma equipe com nove pessoas da Assistência Social, entre assistentes sociais e psicólogos. Apoiando no cadastramento das famílias, desabrigados, desalojados e afetados, e também atuando no posto que recebe as doações, na Escola Trajano Procópio”, explica.

O conteúdo continua após o anúncio

O secretário de Assistência Social ainda relata como está sendo entregue, em Santa Maria, o material coletado aqui em Itabira.

“Esse transporte (das doações) foi feito com caminhonetes da frota da Prefeitura e com caminhões de empresas que se voluntariaram aqui na cidade. Quatro caminhões já foram enviados para lá. Hoje foram três caminhonetes e quatro caminhões com todo nosso estoque de água mineral.”

Santa Maria
Foto: Portal DeFato

Abrigos

Outro tema abordado junto a Elson foi sobre os abrigos. Santa Maria possui, no momento, dois locais para receber desabrigados e desalojados pela tragédia. São eles: Escola Municipal Trajano Procópio, na região central, e Igreja Metodista, no bairro Lambari.

Itabira, de acordo com o prefeito Marco Antônio Lage (PSB), poderá oferecer seis escolas como abrigo aos santa-marienses. Não houve, no entanto, nenhuma solicitação da cidade vizinha quanto à utilização destes espaços. Elton assegura que, caso haja a necessidade, Itabira está de prontidão.

“Santa Maria ainda não manifestou essa necessidade (abrigos itabiranos recebendo santa-marienses). Diferente da comida e do 4×4, que eles estão precisando, eles estão tendo condições de se abrigar. Mas estamos aqui de prontidão, se eles nos acionarem teremos condições de dar pronta resposta”, afirma.

Mais voluntários

Por fim, o secretário de Assistência Social diz que a equipe atuante na Sede dos Bombeiros está precisando de mais voluntários.

“Hoje nós precisamos de voluntários para triagem de roupas. Pois você tem que separar o que é infantil, o que é adulto, feminino, masculino, amarrar um calçado com o outro, ensacar, identificar etc. Nós temos aqui, hoje, mais ou menos 30 voluntários atuando e, também, uma equipe da Prefeitura de mais ou menos 25 pessoas”, finaliza.

<

MAIS NOTÍCIAS